A Fantasia de Abu em “busca de um mundo ideal”

           


Acredito que você já deve ter lido ou visto sobre um papai que fantasiou seu filho de macaco no domingo de carnaval, grande foi à repercussão nas redes sociais com milhares de compartilhamentos da imagem e mensagens, muitas pessoas contra e outras ao seu lado.

Eles estavam fantasiados de personagens da Disney. O pai, vestido de Aladim, a mãe, Cyntia, de princesa Jasmine, e o filho do casal, Mateus, como o macaquinho de estimação Abu, que, diga-se de passagem, é o melhor amigo de Aladim.

Quantas crianças usam fantasias nesse período, algumas remetem a vilões, bandidos, saqueadores, etc. Os pais fazem propositadamente, querem que seus filhos sejam como os personagens, não fantasiem nossas crianças de políticos.  Não imagino nem de perto o sofrimento que essa família deve está passando, tendo suas vidas invadida por esse pseudo-moralismo.

No seu depoimento em uma de suas redes sociais, o pai Fernando Bustamente, escreve: “Só consegui dormir por volta de 4h da manhã, tentando digerir a enxurrada de informações e mensagens de amor e ódio. Às 7h Mateus acordou e quando ele acorda é hora de levantar e preparar o café da manhã. Já tínhamos planejado desde sempre que passaríamos a terça de Carnaval em casa. Impossível conversar sobre o ocorrido na frente do pequeno. Estava muito cansado e pedi a Cynthia para levá-lo na piscina e desmarcar um churrasco com os moradores do prédio. Não estávamos no clima. Assim foi feito. Tentei descansar, mas eram tantas mensagens, que era impossível relaxar. Algumas ameaçavam a minha integridade física e me assustaram. Parecia que meu post com o pedido de desculpas não foi suficiente para chegar em todas as pessoas que postaram mensagens de ódio. Resolvi dar três entrevistas para reverberar ainda mais a minha resposta, embora tivesse certeza que era impossível reverter a situação. Mateus chegou e foi dormir. Durante a última entrevista, ele acordou e agora era a minha vez de cuidar dele. Cynthia saiu para comprar o almoço e nós fomos andar de bicicleta no playground do prédio. Almoçamos e pedi a Cynthia que chamasse nosso afilhado para brincar com Mateus. Ele chegou e o clima ficou bem alegre. Muitas crianças na piscina comendo pipoca e se divertindo. Mateus tentou pular na piscina sem boia e eu estava de prontidão. As crianças foram embora, fiquei brincando com ele no parquinho e Cynthia foi fazer o jantar. Depois do jantar Cynthia foi comprar um vinho e eu coloquei o Mateus para dormir. Só então conseguimos conversar sobre as mensagens de reflexão recebidas. A que mais chamou a atenção: 
- Será que o racismo estava no fato do Mateus ser um negro fantasiado de macaco ou o fato de eu ser um pai branco? Se eu fosse um pai negro e o Mateus o Abu estaria tudo certo? Ou se o Abu fosse um filho branco também não haveria problemas? Já era impossível ler e responder todas as mensagens. A maioria confortava o coração, outras suscitavam a reflexão. Muitas pareciam aquelas homenagens póstumas. A sensação de que alguém morreu... Na verdade não foi alguém alguém... foi algo... o idealismo é utópico! Agradar a todos também...” Eu escrevo umas cartas para meu filho de sete meses apreciar no futuro, já abordei vários temas: saudade, amor, respeito, morte, bondade, etc. Talvez a mais importante ainda não escrevi, sobre o racismo e como as pessoas mascaram e tentam procurar falsas justificativas para algo tão vivo e forte, principalmente em nossa sociedade, eu sou negro, minha esposa é branca, meu filho é... Quando recebemos as primeiras visitas, falavam: ele puxou ao papai é moreninho, que cor linda, cor de canela, cor de chocolate, ainda olhares curiosos e cheio de preconceito, o nosso Benjamin assim como o Mateus é de uma cor linda, é da cor do AMOR, tem cor mais bonita que essa? Sinto e vejo através das palavras e fotos dessa família, existir esse sentimento tão forte que vence todas as barreiras e nos faz acreditar em um mundo menos utópico, seria melhor refletir sobre esse sentimento do que a fantasia de Abu em “busca de um mundo ideal”. Concordam?

Comentários
17 Comentários

17 comentários:

  1. Tenho pena de quem criticou. São pobres de espírito é nunca serão bem aventurados em sua casa...

    ResponderExcluir
  2. Que loucura é esse tal de carnaval? Uns gastam o que tem e o que não tem em 4dias, outros saem espancando mulheres por não querem beijalos.
    Ai diante de uma família que decidiu curti juntos, é esse avouroço todo? Francamente, deveríamos cuidar mais de nós mesmos e olhar menos para vida de quem quer estar em família, de uma forma ou de outra, a criatividade em família é o para mim realmente importa.

    ResponderExcluir
  3. Eu não tinha visto sobre esse caso, triste saber o quanto está vivo o preconceito ainda, tenho certeza que no momento certo você escreverá uma carta maravilhosa sobre o assunto é espero que dívida conosco.

    ResponderExcluir
  4. Essa história foi realmente comovente. Me coloco no lugar do pai, recebendo tanta mensagem negativa. As pessoas perderam o senso e o respeito... Triste demais. Não enxergam que por trás de um Abu, há um menino, uma família construída na base do amor...

    ResponderExcluir
  5. Realmente existem coisas mais importantes para serem destacadas, e não a fantasia do Abu! Concordo com ele, será que essa repercussão toda é pelo fato do Matheus ser negro?! Me poupem aqueles que não possuem ocupação! Deixa a família se divertir! Tenho certeza que ele é muito amado!

    ResponderExcluir
  6. Infelizmente as pessoas se acham no direito de criticar severamente outras nas redes sociais. A hipocrisia mora ao lado...poucos são capazes de se colocar no lugar do outro.

    ResponderExcluir
  7. Li tbm e tentei me colocar no lugar desses pais, deve ser muito doloroso ainda mais quando queremos um mundo melhor e pessoas melhores para nossos filhos viverem ... Acho que devem mais olhar para si do que para que fantasia a outra pessoa está usando ...

    Mi Gobbato - Espaço das Mamães

    ResponderExcluir
  8. Vi fotos de outros casais (acho que uns até no exterior) com as mesmas fantasias num deles os pais eram negros e o filho branco. Realmente acho que as pessoas veem maldades demais onde as vezes nem existem.

    ResponderExcluir
  9. A verdade é que o mundo está cada vez mais chato é intolerante! Cuidassem mais as pessoas das próprias vidas tudo seria bem melhor! @carolallmix

    ResponderExcluir
  10. Fiquei chocada com as reações das pessoas. Como iniciou o texto vários pais fantasiam do que entendem seus filhos. A maldade está nos olhos de quem vê! Achei muito criativo!

    ResponderExcluir
  11. Fato é que as pessoas apontam e olham para aquilo que não deveriam olhar,aquilo que não deveriam olhar...ou melhor,não são essa exatamente as palavras..quero dizer que as pessoas gostam de enxergarem algum motivo ou características que possam fazer separação, distinção,quando na verdade deveriam enxergar o ser humano,a alma da pessoa... Eu nunca consegui entender e nunca vou conseguir entender porque as pessoas olham p alguém e ver cor de pele,roupas,status social... Eu só enxergo a pessoa,o ser humano,a criação de Deus,em nada diferente de mim,a não ser nas escolhas da vida,religião,sentimentos, caráter,maneiras de ser,mas isso não como uma forma de separação, e tbm não me da o direito de julgar. Mt interessante essa questão do preconceito e o quanto ela ainda está enraizada,aflorada na nossa sociedade... Pena! Lindo seu texto,Nicácio!! Me emocionei!

    ResponderExcluir
  12. A sociedade está cada vez mais hipócrita. Tudo é proibido, todos são isso ou aquilo, por favor, menos julgamentos e mais amor no coração!

    ResponderExcluir
  13. É triste viver em uma sociedade tão preconceituosa.
    Blogmaternidadesemfrescura

    ResponderExcluir
  14. Eu não tinha ouvido falar dessa história ainda. Mas não vejo nada de mais vestir o menino de macaquinho gente! As pessoas estão sempre procurando algo para apontar o dedo, infelizmente

    ResponderExcluir
  15. Eu não tinha visto falar sobre esse fato... Muito triste viver nums sociedade tão preconceituosa..

    ResponderExcluir
  16. Não sabia desse caso, mas fiquei muito triste.
    Como tem pessoas ainda pobre de espirito.
    Lamento por elas.

    Abraços

    Mari
    vamosmamaes.blogspot. com.br

    ResponderExcluir